quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Pequenos excessos, grandes medos.

Sempre tive medo de beber, fumar, extrapolar. Excesso mesmo só de angústia no peito... Hoje resolvi experimentar. Abri uma garrafa de vinho, acendi um cigarro e sentei na cadeira da sacada. Para me acompanhar, um novo livro. Uma página, um gole de vinho, uma tragada de cigarro, outra página, outro gole, outra tragada; fui seguindo assim até a última página. Enquanto lia, sentia um vento diferente no meu rosto. Vento parecido com o relatado pela personagem principal do livro. A menina dizia: "Não sei o que aconteceu que os ventos não param de voar, de um lado pro outro." Era um vento só dela. E aqui, na minha sacada dos pequenos excessos e grandes medos, o vento também é só meu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário